Contagem regressiva

Tempo restante do último período de jornalismo:




Busca

QUEM?

Everaldo Vilela tem 25 anos e cursa o 8º período de jornalismo na PUC Minas. É Atleticano... [continua...]

Na maioria das vezes, bem humorado.

Lembre-se:
Quanto maior a dor maior o alívio.

Everaldo está no Orkut.

Tem fotos no flickr e também vídeos no youtube.

Contato: blog@everaldovilela.com

Lendo

Banalogias - Francisco Bosco

Cem Anos de Solidão - Gabriel García Márquez

Ensaio sobre a cegueira - José Saramago

ARQUIVO

Últimas postagens

Rumo ao Planalto - Agora é vidraça!

Rumo ao Hexa - todo mundo só fala nisso

Rumo ao Hexa - Agamenon depois da derrota para a F...

Jabor - antes do jogo contra a França no Jornal da...

Rumo ao Hexa - agora, só em 2010!

Rumo ao Hexa - Imagem do dia

Rumo ao Hexa - Hermanos, hermanos...

Rumo ao Hexa - o maior artilheiro de todas as copa...

Página viagem...

TV Digital

Torcedor




101 JOGOS
49 VITÓRIAS
21 EMPATES
31 DERROTAS
Fez 185 gols e sofreu 128

Os números dos 100 jogos aqui e a lista dos confrontos aqui.

Último jogo: Galo 2 x 1 Náutico

Não deixe de ouvir

Cidadão Quem
Engenheiros do Hawaii
Os Paralamas do Sucesso
Pato Fu
Tianastácia

Não deixe de ver

Bafafa!
Blog prof. Caio Cesar
Blog do Tas
Charge OnLine
Cia Boa Notícia
Cocadaboa.Com
Comédia Stand-up
Como tudo funciona
Desencannes
Duke - chargista
Hipermeios
Le Troca
Michel Melamed
MP3tube
Música de bolso
Palavras Cruzadas
Stand-up Comedy Brasil



Clube Atlético Mineiro



Powered by Blogger



Template de Everaldo Vilela

Home • Rumo ao Planalto - Agora é vidraça! » • Rumo ao Hexa - todo mundo só fala nisso » • Rumo ao Hexa - Agamenon depois da derrota para a F... » • Jabor - antes do jogo contra a França no Jornal da... » • Rumo ao Hexa - agora, só em 2010! » • Rumo ao Hexa - Imagem do dia » • Rumo ao Hexa - Hermanos, hermanos... » • Rumo ao Hexa - o maior artilheiro de todas as copa... » • Página viagem... » • TV Digital »

Sergio Costa, na Folha de São Paulo hoje:

Anti-racismo de butique
[link]

RIO DE JANEIRO - Na Copa do Mundo, a poderosa e bilionária Fifa -com sede na Suíça- faz campanha politicamente correta contra o racismo, mas... os meninos que têm entrado em campo de mãos dadas com as seleções são em sua ampla maioria brancos, louros, de bochechas rosadas. Colocaram até um gordinho para escoltar Ronaldo.
Em compensação, a rica França faz sua parte -pena que apenas no futebol, não nos subúrbios de Paris. Nossos tradicionais algozes gostam de encher os Champs- Elysées para celebrar as façanhas de um time em que bem mais da metade é composta por negros.
De quebra, a lenda que nos mostrou em duas copas que o verdadeiro futebol brasileiro se escreve com Z -de Zidane- é filho de argelinos, ou seja, de africanos.
Mas ainda assim é curioso constatar que, na Copa contra o racismo, os finalistas sejam todos europeus. Quatro dos mercados mais ricos do futebol, que importam a peso do euro jogadores de todo o planeta para satisfazer o apetite de seu principal público, o consumidor europeu.
Nestas finais, na bola ou no apito, não terão mais lugar latino-americanos, africanos e asiáticos, fornecedores de boa parte da mão-de-obra para o show sem fim das ligas poderosas nas TVs do mundo afora.
Na Copa contra o racismo, quem levantará a taça no fim não será o mulato Cafu (que a ergueu em campos asiáticos), mas um europeu. Ainda que caiba ao "argelino" Zidane, será a imagem de um capitão em seu próprio campo, o do valorizado euro, como normalmente acontece de oito em oito anos.
Alemães, franceses, italianos e os penetras portugueses reafirmarão, domingo que vem, quem é o dono do mundo da bola e dos negócios ao redor dela.
Nossa chance -latinos, mulatos, negros, amarelos- será na África do Sul, em 2010, na fase de expansão do mercado.